segunda-feira 04 de dezembro de 2017

Aberto do Chile: paulistas Lucas Park e Lauren Grinberg terminam em quarto e sexto lugar entre os juvenis

Dupla brasileira ficou em sexto. No torneio profissional, Felipe Aguilar venceu Guillermo Pereira no playoff

 

Lauren chip com Lucas ao lado AbCh 1024jpg

Os juvenis paulistas Lucas Park, do Paradise, e Lauren Grinberg, do Lago Azul, terminaram em quarto e sexto lugares, respectivamente, no 91º Aberto do Chile – Campeonato Internacional de Duplas Mistas, jogado de quinta-feira a domingo, 30 de novembro a 3 de dezembro, no campo do Sport Francés, em Santiago. Na competição profissional, Felipe Aguilar, o profissional chileno mais bem colocado no ranking mundial (445º) e membro do Tour Europeu, foi campeão ao derrotar, no playoff, Guillermo Pereira, 481º do ranking mundial, que joga no Web.com Tour.

Lucas, atual campeão brasileiro juvenil, e Lauren, a número 1 do ranking brasileiro, não subiram ao pódio, mas de destacaram na competição. Lucas, por ter liderado o torneio juvenil depois de jogar 69 (-3) no segundo dia, quando fez o terceiro melhor resultado da rodada, entre todos os participantes, incluído os profissionais (dois deles jogaram 68 na sexta-feira). Lauren por ter integrado a equipe campeã scratch do Pro-Am de quarta-feira, ao lado de Juan Cárdenas, Martín León e Solange Gómez, com 63 tacadas.

Brasileiros - Lucas somou 299 (75-69-79-76) tacadas, 11 acima do par, para ficar em 24º na classificação geral do Aberto do Chile, e em quarto na categoria juvenil, vencida por Carlos Ruiz-tagle Marinetti, com 286 (71–73-68), duas abaixo. Agustín Errázuriz Allendes, com 287 (71-75-70-71) e Benjamin Saiz-wenz Wenz, com 295 (73-73-73-76) completaram o pódio. Os três são chilenos.

Lauren somou 311 (78-79-75-79) tacadas, 23 acima, para ficar em sexto no torneio juvenil, que teve no pódio a venezuelana Valentina María Gilly Lora, com 288 (70-70-75-73), a paraguaia Viviana Prette Reyes, com 299 (73-79-75-72), e a chilena Sofía Morgan Birke, com 303 (74-75-76-78). Nas duplas mistas, o Brasil ficou em sexto, com 455 tacadas. Venceu o Paraguai, com 438, no desempate com o time A do Chile. O time B do Chile ficou em terceiro com 444. A seguir, ficaram Venezuela, com 450, e Colômbia, com 451. Atrás do Brasil terminaram três equipes de clubes locais e o Uruguai, em décimo e último posto.

Profissionais - Aguilar conquistou o bicampeonato do torneio que valeu também como última classificação para a final da Série de Desenvolvimento do PGA Tour Latinoamérica, ao somar 279 (68-71-71-69) tacadas, nove abaixo, mesmo resultado de Pereira (73-70-66-70), com quem travou um duelo equilibrado até o buraco final e só superou no desempate. Horacio Leon ficou em terceiro, com 281 (72-68-70-71), seguido por Juan Cerda, com 282 (69-69-73-71).

Entre os amadores, venceu o paraguaio Gustavo Silvero, com 284 (68-70-73-73), quatro abaixo. Ele foi também o campeão das Duplas Mistas ao lado de Viviana Prette, vice-campeão juvenil. Para esse torneio valeu a soma dos resultados dos três primeiros dias. A campeã amadora feminina foi a venezuelana Valentina Gilly, com 288.

Lucas e Lauren viajaram com apoio da Confederação Brasileira de Golfe (CBG) e do Comitê Olímpico do Brasil (COB), com recursos da Lei Agnelo Piva.





Federação Paulista de Golfe